20180801-the_brejas-012_edited.jpg

Queijo Velho Chico, maturado por Chico Severino

Somos uma queijaria artesanal especializada em queijos mineiros produzidos a partir de leite cru oriundos de rebanhos bovinos, caprinos e ovinos. Oferecemos queijos com Indicação Geográfica de Procedência, premiados nacionalmente e internacionalmente, das regiões queijeiras mais tradicionais de Minas Gerais e outros queijos artesanais do estado produzidos fora desse circuito, sempre prezando por selecionar pequenas propriedades familiares e que adotem as boas práticas de produção.

Respeito e parceria com os produtores, comprometimento com a tradição do Queijo Minas Artesanal (QMA), ética, profissionalismo e informação para proporcionar aos nossos clientes experiências gastronômicas autênticas da cultura mineira, são o nosso compromisso.

Serviços

Para produtores e revendedores que buscam o desenvolvimento de projetos leiteiros e queijeiros especializados e para consumidores interessados em vivenciar experiências gastronômicas autênticas.

 

Consultoria em produção, vendas, tendências de consumo, eventos, harmonizações, almoços, jantares, degustações, confraternizações, eventos temáticos, história geral dos queijos, história do queijo em Minas Gerais, rotas turísticas, visitas guiadas, análise e avaliação de queijos, menu de queijos artesanais mineiros para restaurantes e hotéis.

WhatsApp%20Image%202020-01-24%20at%2017.

Francisco Vicente Severino é queijeiro especialista em Queijo Minas Artesanal (QMA), com certificação em produção de queijos do Serro e da Canastra, Análise Sensorial de Queijos pela escola francesa Mons Formation, Cura de Queijos pela SerTãoBras, Empreendimento Gastronômico pela Associação de Chef's de Cozinha e Restauranteurs Intercontinental, especialista em pecuária de leite certificado em Amostragem, Coleta, Transporte e Qualidade do Leite, Melhoramento Genético e Controle Zootécnico de Rebanhos Leiteiros, Produção de Leite a Pasto, Nutrição de Vacas Leiteiras, Manejo Homeopático para Gado de Leite, Conforto Animal para Produção de Leite, Produção de Leite Orgânico, Manejo Sanitário de Bovinos, Implantação e Gestão de Sistemas Compost Barn e Pós-graduação em Pecuária Leiteira pela Rehagro.

Um "empurrãozinho" para amenizar a dificuldade nas manhãs ou um acalanto para favorecer o descanso nas noites de moradores de rua de Belo Horizonte/MG.

• Pão, Queijo e Palavra •.png

Você só vai encontrar preços semelhantes
nas porteiras das fazendas.

dvsdsdv.png

O Queijo Minas Artesanal (QMA)

Produzido através de técnicas que remontam à descoberta do ouro na Capitania de Minas Gerais, o queijo Minas artesanal sobreviveu às pressões da modernização dos processos de produção, não só pelo apego às tradições, mas também pelo isolamento das propriedades produtoras, espalhadas pelas montanhas e pelos vales do Estado, com alguns exemplares sendo produzidos da mesma maneira há mais de 300 anos. Isso contribuiu para que se preservassem produtos com características próprias e de imenso valor cultural e econômico. 

 

O Queijo Minas Artesanal é reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro pelo (Iphan) desde 2008.

Queijo Minas Artesanal

As 8 regiões

Serra do Salitre

O queijo artesanal imperial produzido na região da Serra do Salitre - MG recebe uma capa de resina especial na cor preta ou amarela que proporciona uma cura mais lenta, mantendo a massa branca, macia e com um sabor mais apurado de queijo que envelheceu com técnica e sabedoria.

MAPA 8 REGIÕES.jpg

Cerrado

Apesar da grande extensão geográfica do cerrado mineiro, o queijo da região é produzido do modo tradicional em todo este vasto território guardando características históricas. A consistência deste queijo é mais macia e amanteigada, quando atinge um ponto maior de maturação. Entretanto, para melhor aproveitamento de suas características, ele sugere o consumo no ponto de maturação média.

Triângulo Mineiro

As características da região garantem as diferenças no resultado final do queijo produzido no Triângulo Mineiro. Casca semi-dura, tendendo ao macio. De textura compacta, cor amarelo ouro, de sabor suave e ligeiramente ácido.

Serro

A receita deste queijo foi trazida para o Brasil no século XVIII por portugueses que vieram da região portuguesa da Serra da Estrela. Em Minas a técnica foi adaptada e o queijo do Serro ficou mais úmido e ácido e passou a ser mais valorizado pelo mercado. Este queijo tem massa branca, fina, homogênea, sem trincas e consistente. A casca normalmente é lisa e esbranquiçada e, ao ser curada, tende a ficar com uma crosta fina e amarelada. Pesa entre 725 e 1.250 gramas, tem cerca de 14 cm de diâmetro e altura entre 4 cm e 6 cm.

Campo das Vertentes

A região do Campo das Vertentes, é ideal para a fabricação de queijos pelas condições climáticas favoráveis e ambiente propício ao processo de maturação. Entre suas características a casca é semi-dura, firme e de cor amarelo palha, sua textura é fechada e pode apresentar algumas olhaduras. Sabor levemente ácido.

Araxá

O Queijo Minas Artesanal produzido na região de Araxá é conhecido pelo sabor suave e textura mais delicada, gerada pela combinação única da região, como altitude, tipo de solo e das pastagens. Esse queijo tem a casca amarela e firme quando curado, sabor forte, picante, denso, encorpado e cremosidade que se intensifica com o tempo de maturação. Quando meia cura se parece muito com o queijo canastra. As peças pesam entre 900G e 1.2 kg e podem variar por se tratar de um produto artesanal e em processo de maturação.

Canastra

O Canastra é um tipo de queijo oriundo da região da Serra da Canastra e municípios vizinhos. Produzido há mais de duzentos anos, ele é primo distante do queijo de São Jorge, Açores - Portugal, trazido pelos imigrantes da época do Ciclo do Ouro. O clima, a altitude, os pastos nativos e as águas da Serra da Canastra dão a esse queijo um sabor único: forte, meio picante, denso e encorpado. Desde maio de 2008 o queijo canastra é patrimônio cultural imaterial brasileiro, título concedido pelo IPHAN, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Serras da Ibitipoca

A casca é fina, apresenta cor amarelo claro e a massa carrega o sabor marcado pela leve acidez. Esse queijo produzido na região que pertence à Zona da Mata e ao Sul do estado era um dos prediletos dos poderosos do Brasil Colônia.  A receita tem mais de duzentos anos.

- INSTAGRAM -